Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

19
Fev13

Campo

Mariali

Uns dias na aldeia, em Fafe.

1ª. foto- Um pedacinho do espigueiro tão característico do Minho, de pedra e madeira. A sua função ainda é de guardar as espigas de milho. Protege-as das intempéries, dos roedores... O arranjo espontâneo embeleza-o, fazendo jus ao monumento.  

2ª. foto- O monte, os carvalhos e, ao fundo do fundo, o suposto horizonte. 

           

  

18
Fev13

Para Sempre

Mariali

Estamos em tempo de cortes, de poupança. Estou a ler e a reler livros que apenas têm enfeitado a estante. Voltei a ler Vergílio Ferreira. Não é fácil. Deste escritor só conhecia Manhã Submersa e Aparição. Para Sempre, foi a última leitura.

Paulo, um homem velho e debilitado, na sua solidão, no seu pessimismo e incapacidade, regressa a casa das suas origens, onde passou sua infância e férias em adolescente.

A casa está vazia e povoada de fantasmas... A cada porta ou janela que abre, o ranger de madeira, o objecto, a paisagem, tudo isso se transfigura em momentos, recordações chave do seu passado.  Suas ilusões e desilusões, frustações, fatalidades... Chega, até, a antever o futuro, com todos os detalhes da sua degradação a caminho da morte. Morte que pode significar libertação...

Vergílio Ferreira fá-lo a seu modo, na sua linguagem forte e poética, numa introspecção dura sobre a vida.

De vez em quando, de longe a longe, aconselho Vergílio Ferreira. {#emotions_dlg.smile}

17
Fev13

Jorge de Sena

Mariali

Noutros Lugares

 

Não é que ser possível ser feliz acabe,

quando se aprende a sê-lo com bem pouco.

Ou que não mais saibamos repetir o gesto

que mais prazer nos dá, ou que daria

a outrem um prazer irresistível. Não:

o tempo nos afina e nos apura:

faríamos o gesto com infinda ciência.

Não é que passem as pessoas, quando

o nosso pouco é feito da passagem delas.

Nem é também que ao jovem seja dado

o que a mais velhos se recusa. Não.

 

É que os lugares acabam. Ou ainda antes

de serem destruídos, as pessoas somem,

e não mais voltam onde parecia

que elas ou outras voltariam sempre

por toda a eternidade. Mas não voltam,

desviadas por razões ou por razão nenhuma.

 

É que as maneiras, modos, circunstâncias

mudam. Desertas ficam praias que brilhavam

não de água ou sol mas de solta juventude.

As ruas rasgam casas onde leitos

já frios e lavados não rangiam mais.

E portas encostadas só se abrem sobre

a treva que nenhuma sombra aquece.

 

O modo como tínhamos ou víamos,

em que com tempo o gesto sempre o mesmo

faríamos com ciência refinada e sábia

(o mesmo gesto que seria útil,

se o modo e a circunstância persistissem),

tornou-se sem sentido e sem lugar.

 

Os outros passam, tocam-se, separam-se,

exatamente como dantes. Mas

aonde e como? Aonde e como? Quando?

Em que praias, que ruas, casas, e quais leitos,

a que horas do dia ou da noite, não sei.

Apenas sei que as circunstâncias mudam

e que os lugares acabam. E que a gente

não volta ou não repete, e sem razão, o que

só por acaso era a razão dos outros.

 

Se do que vi ou tive uma saudade sinto,

feita de raiva e do vazio gélido,

não é saudade, não. Mas muito apenas

o horror de não saber como se sabe agora

o mesmo que aprendi. E a solidão

de tudo ser igual doutra maneira.

E o medo de que a vida seja isto:

um hábito quebrado que se não reata,

senão noutros lugares que não conheço.

 

Jorge de Sena (1967)

07
Fev13

Pensamentozinho meu

Mariali

Para uns, é quando o dia começa. Para outros, é o final do dia. Ou então, nem final, nem início, nem intermédio... É o pôr do sol.

Outros momentos há. Às vezes, nada nos dizem, ou transmitem-nos ansiedade, mal-estar e, definitivamente, só nos apetece "estar onde não estamos".

Alguém me disse que são os nossos "pensamentozinhos," o nosso olhar desatento e superficial sobre as coisas, que nos desviam do sentir profundo, verdadeiro...

Não espelhei ao meu redor qualquer coisa de mim. Limitei-me a sentir.

  

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D