Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

16
Fev17

livros, autores e estórias

Mariali

 E porquê Gonçalo M. Tavares entrou na minha coleção?

Primeiro, pelo que José Saramago proferiu, a respeito do livro Jerusalém, “Gonçalo M. Tavares não tem o direito de escrever tão bem apenas aos 35 anos, dá vontade de lhe bater!”.

Segundo, porque Gonçalo M. Tavares foi um dos professores da minha filha mais velha, em Artes da Escrita. Daí, os livros se encontrarem aqui, por casa... Então, só tenho é que aproveitar a oferta de leitura que caiu na minha estante.

Sem critério algum, este fim de semana li: Aprender a rezar na Era da Técnica. E a semana passada li, Um Homem: Klaus Klump.

Fosse eu um Pedro Mexia, por exemplo, faria a crítica a estes dois livros bem fundamentada, ou em linguagem bem escorreita, como diria minha mãe... :) Daí, a minha dificudade em explicar as razões por que gostei, mas pouco...

Deixaram-me inquieta, mas naquele sentido de maldisposta, agressiva e com ligeiras dores de cabeça. Se eu contasse a alguém o que acabo de escrever, diriam:- Mas não és tu que gostas de livros difíceis?! Daqueles que te deixam a refletir um mês, um ano... E tal e quê?!... :)

De verdade, verdadinha, gosto de desafios.

Agora, não sei se concretizarei a leitura dos outros dois livros, mas só por precaução, devido a efeitos raros na minha pessoa. Também admito que não escolhi o melhor tipo de leitura para esta fase da minha vida. Confesso.

Bem, fui à internet para mais saber.

Sinopse:

Os «Livros Negros» de Gonçalo M. Tavares têm um novo Reino: Aprender a rezar na Era da Técnica.
Lenz Buchmann é um homem atroz. Como médico, despreza os doentes. Como político, despreza a sociedade. Como marido..., como irmão... como filho, enaltece irracionalmente o pai porque é assim que se comportam os homens desprezíveis.
Depois de: Um Homem: Klaus Klump, A Máquina de Joseph Walser e Jerusalém, Aprender a rezar na Era da Técnica mantém o mesmo olhar agreste e tantas vezes sombrio sobre a condição humana: «O que vês quando olhas para onde todos olham?»

 

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D