Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

TUDO AVULSO

Acontece-me... Por inspiração... transpiração... ou porque me apetece...

11
Jun19

Há recomeços que demoram

Mariali

Há recomeços  que demoram.

No fim de semana seguinte ao meu aniversário, tomei a decisão de fazer um convívio só com os meus irmãos e seus respectivos cônjuges, quem os tem, claro.

Apesar da presença de irmãos não ser na totalidade, éramos quase vinte.

Uma trabalheira, mas repleta de felicidade.

Já há muito que não os via deste modo, em festa. Relaxados, descontraídos, adolescentes, pareciam... Pudera, sem filhos ou netos para se distraírem ou preocuparem...

E, também, porque, os últimos "encontros", foram de despedida.

 

Todo o dia não se proporcionou para um momento que queria especial, "o silêncio", pelos que já partiram. O meu pai, a minha mãe e irmão. Os mais recentes, ambos, no mesmo ano, um a seguir ao outro.

O entardecer estava mágico, próprio do fim de um dia quente no campo.  E foi ainda debaixo do grande guardassol que jantamos. Depois, anoiteceu e já outra mesa, dentro de casa, esperava-nos para as sobremesas...

 

E foi o momento certo. Interrompi a alegria e conversas cruzadas de alguns. Pedi meio minuto de silêncio. Não é necessário descrever o que aconteceu. Nem eu sei, porque, no final das palavras, transbordei de tanta emoção... Os parabéns foram cantados como um hino, como um escape, como uma oração...

 

Houve abraços apertados. Abraços que jamais esquecerei...

E a festa continuou.

Quando nos lembramos de tirar fotos, já o céu reluzia estrelado, mas lá bem longe :)

DSC06328.JPG

 

 

 

27
Set18

Hoje e amanhã, tanto a acontecer

Mariali

A preparar o coração para hoje. 

Atarantado, sim,

por não ordenar prioridades.

Há os que vivem e os que já morreram.

Há os doentes.

Há o 1º. aniversário da morte... 

De mansinho,

logo, tudo ganhou ordem,

porque surge mais uma partida.

A minha comadre.

Madrinha da minha filha mais velha.

e eu madrinha de sua filha.

Minha parceira de risadas, passeios, profissão.

Amizade.

 

Agora, é tua a prioridade. 

Visitarei os doentes,

meditarei pelo 1º. aniversário 

mas acompanhar-te-ei até onde me for possível.

Hoje e amanhã,

tanto a acontecer.

Ganhar, perder, celebrar, visitar.

Vencer.

 

 

 

 

04
Jun17

Laços e emoções

Mariali

Gosto de sentir liberdade, quem não gosta?... De não me submeter a regras, programas, agendas... Sempre que é possível, e sem prejuízo do outro. A vida já é tão cheia de obrigações!

Porque, a par de nossas vidas diárias, familiares, há outras vidas, familiares e não familiares... Há trabalhos e canseiras, doença, dedicação e zelo, carinho, amor.

A primeira etapa de tratamentos passou e parece estar no bom caminho...

Quando nasceste do mesmo ventre, correste na grande varanda de tábuas, rangendo, brincaste no mesmo terreiro, em noites de luar. E nadaste no pequeno rio, em dias quentes de verão, fizeste as refeições em volta da mesma mesa, debaixo do mesmo telhado... Aí, sentes todo o universo a chamar-te e a dizer-te que toda a pessoa merece atenção, cuidado, proteção.

Só por uns tempos. Sei... Até uma nova etapa que brevemente reiniciará e nunca se sabe como acabará... Andei por aí, tentando aliviar, de cabeça oca, vazia de problemas... 

Ontem, aproveitei a noite para sair: jantar e assistir a um concerto ao ar livre, no Largo da Condessa do Juncal. À inconfundível voz de Sofia Escobar, juntou-se  a Orquestra Juvenil de Pevidém e música tocada em piano, a solo... Tudo divinal. Arrepiei-me e emocionei-me por várias vezes. Não perdi pitada. Tentei absorver cada palavra, cada som, cada momento musical.

Simplesmente fantástico!

 

-2.png

*debaixo destes telhados... 

 

19
Mar16

Vida de Pai

Mariali

Não se deve falar nem pensar mal das pessoas que já partiram. Vamos aprendendo que ninguém é perfeito e que as circunstâncias da vida, por vezes, fazem-nos mais carrancudos, impacientes e senhores do nosso nariz.

Ser pai de doze filhos é obra. E obra feita quase toda no masculino, pensava-se e dizia-se que era ser muiiito macho. Entretanto, descobriu-se que, afinal, o género é da competência da mãe. Mas o que interessa é que, naquele tempo, era competência do pai e ponto final.

Era com grande orgulho que nos dias de festa, Natal e Páscoa, os rapazes desfilavam por ordem decrescente de idade, escadas acima, em direcção ao coro da igreja. As mulheres jovens e não só, disfarçadamente, miravam a bela equipa de lindos e educados rapazes que, raras vezes, percorriam os caminhos da aldeia. Meu pai, nesses dias, também os acompanhava, e, com certeza, fazia-o a transbordar de alegria, orgulho e felicidade.

 No final da missa, minha mãe não podia perder tempo com grandes esclarecimentos ao mulherio que a abordava para saber pormenores sobre os seus filhinhos. Sei que conversava com esta e aquela, alegre e apressada, porque havia o almoço próprio do dia, que só ela tão bem sabia confeccionar.

O que conversavam com o meu pai, não sei. Já era conversa de homens.

Um dia meu pai partiu... Pensava eu que não ia ser tão difícil, assim. Mas o mundo desabou. Aí, compreendi que a vida de pai não é nada, nada fácil. E que a vida sem ele nunca mais foi a mesma coisa. 

 

28
Dez15

Natal 2015

Mariali

Pois... É verdade. Natal também é tempo de trabalheira.

Não me posso queixar... Apenas elaborei uns pequenos arranjos, coloquei-os por ali e por acolá para assinalar a época. Fiz rabanadas, aletria e peras bêbedas. Algumas doçuras. As preferidas cá da gente de casa. Ah! E comprei presentes.

Os almoços e jantares, esses, foram em casa de familiares. Chego a ter compaixão daqueles que nos recebem. Tanta gente! Trinta, quarenta?!... Por aí.

Os presentes alegram a criançada. Papéis e laços espalhados pelo chão. Jogos de mesa, sorrisos, conversas em tom maior e, por vezes, cruzadas...

Há encontros que são de longa distância...Temos de aproveitar cada instante... Porque a hora de partir é já.

E  pronto, termina o Natal, o tal que esperamos um ano inteiro. Despedidas, abraços, risos, saudades e um até breve ou até qualquer dia.

Restam-nos algumas doçuras e lembranças que prolongam o tempo de natal... 

DSCN9763.JPG

DSCN8249.JPG

 

21
Dez15

Dicas que não são dicas para tempo de natal

Mariali

Onde estão as dicas para que, no tempo de natal, possamos estar de cabelos bem arranjados em todos os almoços a que vamos?

Difícil, não? Um almoço, dois almoços, três...  Teríamos de os lavar quase todos os dias.

O que costumo fazer é dar prioridade... Então, escolhi o almoço de família para estar mais produzida. Pintei o cabelo e ficou lavadinho, solto e levemente esticado. Seja lá quem for fica com outro ar... Desde que o penteado não seja em forma de capacete... ;)

Depois, é óptimo ouvir irmãos, cunhadas e sobrinhos elogiar o nosso estado. Porque, apesar de... A idade não passa... E tal e quê... Ó cunhado, para quando outra criança?... Ó tia, tens as calças rotas nos joelhos... :)

Entre amigos, tanto elogio pode soar falsidade. Em família, não. É um modo carinhoso de comunicar, um modo de dizer que gostamos, que somos família, que os laços estendem-se com o tempo. Sempre.

Sim, é isso.

DSCN8214.JPG

 

18
Out15

Livros

Mariali

É sempre tempo de relembrar...

Li muito pouco neste verão, porque passei o tempo a saltar de um lado para o outro.

Faço parte de famílias grandes que vivem espalhadas por todo o lado, com seus afazeres e sem um ponto que os motive ao reencontro. Assim vão passando os anos. Antes que a razão do encontro familiar fosse um triste encontro, e antes que o tempo nos vença, organizei dois convívios. Exigiu muita estratégia, coordenação, trabalho...

Por isso, relaxar sem nada fazer, nem sequer ler, também é essencial.

Um certo dia de nevoeiro e chuva miudinha, estava à beira mar, caminhando pelas ruas da cidade, quando encontrei uma loja de livros em 2ª. mão. Comprei dois livros, pequenos mas intensos no seu conteúdo. Carta ao Pai de Franz Kafka e A Instrumentalina e Outros Contos  de Lídia Jorge. Custaram-me 7 euros.

Posso dizer-vos que acertei em cheio. É impressionante como me revi nos dois géneros de escrita e estórias. Adorei. Adorei. Porque, como vou dizendo, os livros que vão de encontro às minhas raízes, ao mais profundo e desconhecido de mim, eu sei lá, aqueles que me deixam a matutar durante meses, ou uma vida... Esses são os meus preferidos.

E fiquei feliz por esta descoberta, assim, espontaneamente, num passeio descontraído, pelas ruas da cidade.

20
Jan13

Adultos

Mariali

Quezílias entre família sempre houve. Durante a infância e adolescência somos apelidados de tudo o que no momento e na circunstância se adapta melhor para nos definir. Maria rapaz, manhosa, preguiçosa, atrevida, feiosa, ninguém te vai querer- são expressões comuns dirigidas a quem realmente gosta de sair dos padrões normais de uma boa menina. Porque, naquele tempo, nascer-se do género feminino no meio de tantos do outro género, não era nada fácil. No que concerne aos trabalhos domésticos e às brincadeiras, os direitos eram mais para os rapazes e os deveres mais para as raparigas. Cedo aprendemos que a vida será de luta, até que a igualdade seja tão comum que nem seja necessário falar dela. Falo de minha experiência...{#emotions_dlg.smile}

Em adultos os motivos que nos desunem não serão tão diferentes. Diferentes, mesmo, somos nós. Carregados de orgulho, preconceito, teimosia... Esquecendo que seguimos viagem e que não sabemos até onde vamos, qual o fim da nossa caminhada... Custa a acreditar, a compreender. Entretanto, passamos pelo tempo, em velocidade, sofrendo os seus efeitos. Um dia já será tarde...

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D